www.passandoalimpo.com

Arthur Godoy Júnior

arthur007@uol.com.br

(17) 99119-2715

LEITORES ON LINE


São Paulo, 21 de maio de 2015

Atualizado às 06h20


Municipiários

Prefeito oferece 5% e vai tentar R$ 120,00 no cartão; vereadores e sindicalistas ficam agradecidos e greve pode acabar

Na tarde de ontem, quinta-feira, o prefeito Geraldo Vinholi e vereadores de Catanduva se reuniram no gabinete municipal para discutir possibilidades e propostas que pudessem encerrar a greve dos municipiários. Basicamente, o prefeito manteve a sua proposta de 5%, além de oferecer R$ 120,00 no cartão - que deverá ser confirmada por técnicos da Secretaria de Finanças. Os vereadores solicitaram - e o prefeito atendeu - a não aplicação de penas aos grevistas. Vinholi explicou que existe uma ação na Justiça, mas que se puder não irá cortar ponto ou punir participantes do movimento.

A livre manifestação dos funcionários grevistas foi garantida.

Após o encontro, vereadores e sindicalistas agradeceram publicamente o prefeito Geraldo Vinholi por atender a comissão de vereadores. O assessor de imprensa do sindicato falou em "POR SUA VEZ, O SIMCAT E TODA CATEGORIA APLAUDEM O SENHOR PREFEITO E VEREADORES PELO COMPROMETIMENTO POSITIVO COM TODOS FUNCIONÁRIOS MUNICIPAIS".

Após confirmada a questão técnica, a proposta será encaminhada para uma assembléia, já com o posicionamento do sindicato em prol da aprovação dos 5% e R$ 120,00 no cartão.

Plano de carreira e reestruturação ficaram de fora do encontro.

“Demonstrei a projeção da receita com R$ 22 milhões a menos do que o esperado em função da grave crise econômica do País e em paralelo o aumento das despesas com pessoal e estrutura, algo que cresce automaticamente. Por ano a folha de pagamento tem um aumento de mais de 5% em função da incorporação de benefícios, contribuições crescentes com o IPMC, e nesse ano, a incorporação dos R$ 50,00 do abono representou mais 3,8%, totalizando quase 9%. Com este resultado projetado, superamos o limite prudencial imposto pela Lei de Responsabilidade Fiscal de 51.3%”, explicou o prefeito

“Apesar de toda nossa boa vontade, dependemos da criação de alternativas junto com a Câmara Municipal que viabilizem nova condição. O reajuste, nossa proposta, está atrelada a uma série de medidas, que seriam encaminhadas e aprovadas pela Câmara. Sem isso não temos como fazer milagres”, disse Vinholi.

O vereador Nilton Cândido, demonstrou entendimento a proposta do prefeito e destacou a importância da reunião. “Estou entendendo o raciocínio com base no que o prefeito está falando. Teremos os dados detalhados na reunião técnica”, informou o petebista.

A respeito dos R$ 120,00, o prefeito informou que só poderá atender se algumas medidas de reajuste e economia foram aprovadas na Câmara. Sem entrar em detalhes, o prefeito deu a entender que encaminhará ao legislativo a extinção de cargos e secretarias.

Ficou agendada amanhã, sexta-feira, nova reunião com os técnicos da Prefeitura para estudarem todas as medidas de ajustes que poderão viabilizar alguma proposta, dentro dos limites legais e orçamentários.

VEREADORES

Estiveram presentes na reunião os vereadores: Daniel Palmeira (Presidente da Câmara), Dr. José Alfredo Luiz Jorge, Nilton Cândido, Osvaldo Crivelari, Cido Verdureiro, Ari Enfermeiro, Luis Pereira, Wilson Paraná, Amarildo Davoli, Cidimar Porto, Matheus Pickarte, representando o vereador Francisco Batista de Souza, o Careca.


- Na noite de ontem, terça-feira, o presidente do Legislativo, Daniel Palmeira de Lima tentou falar com o prefeito Geraldo Vinholi sobre a possibilidade de reunião entre vereadores e chefe do Executivo para tratar sobre a greve. Não conseguiu. Palmeira telefonou para o gabinete e celular do prefeito, mas não obteve resposta.

- A primeira intenção dos vereadores era parar a sessão da Câmara Municipal e subir todos, juntos, no gabinete para um encontro com o prefeito. Sem conseguir falar com Vinholi, a idéia foi abortada. Nesta quarta-feira, espera-se uma reunião entre vereadores e prefeito.

- Era óbvio que no calor das emoções o prefeito não iria atender aos vereadores. E se houver uma conversa nesta quarta, Vinholi vai apresentar números e voltar a bater na tecla: aumento de 5%, podendo dar algo mais no cartão alimentação.

- Vai ser uma situação delicada um eventual encontro do prefeito com alguns vereadores. Amarildo Davoli, por exemplo, não cansa de chamar Vinholi de ladrão. E já tem quase 20 processos contra seus pronunciamentos.

- Corre nos bastidores que Nilton Cândido sonha em ser candidato a prefeito, e com o apoio dos funcionários municipais. Se isso acontecer, pode levar junto os vereadores Marcos Crippa e Careca, já que o Solidariedade anunciou que em 2016 estará ao lado do PTB de Cândido.

- O presidente do sindicado dos municipiários também estaria cogitando uma vaga de vereador. Mas isso é história antiga.

- O Ministério Público de São Paulo notificou a prefeitura de Catanduva que está obrigada a recolher todos os funcionários que estiverem prestando serviços em outras repartições e unidades. Resultado: funcionários do governo municipal que estão no sindicato dos municipiários, por exemplo, deverão se apresentar na prefeitura para voltarem a seus cargos de origem.

- Esta medida foi interpretada por alguns como uma retaliação do governo contra o sindicato, já que irá desfalcar os quadros de funcionários. No início da noite, a informação concreta de que a ordem saiu do Ministério Público.

- Municipiários negam que tenham sido os responsáveis pelos pneus murchos dos ônibus e cadeados colados nas escolas.

- Já tem funcionário que enxerga com bons olhos a proposta do governo de 5% e um valor maior no cartão. Desde que ela seja retroativa.

- Independente da conversa nos gabinetes, favor não esquecer dos aposentados.

- Alguns chegaram a informar que o prefeito Geraldo Vinholi teria procurado os vereadores na tentativa de acabar com a greve. Isso foi negado por fonte do gabinete. E pelo desenrolar dos fatos, com a ligação dos vereadores ao prefeito - não atendida - comprova que isso não aconteceu.

- Tem gente defendendo o escalonamento - 7,7% aos funcionários que ganham menos e 3% aos municipiários que ganham mais. E para os graudões: 0%.

- Até agora ninguém sabe explicar os reais motivos para que tantas lâmpadas da cidade fiquem apagadas.

- E falando em apagada, quem projetou a iluminação do Parque das Américas, Câmara e Prefeitura, deveria ganhar um prêmio todo especial. Uma escuridão só.

- Roberto Cacciari nega, mas no meio político já é considerado pré-candidato a prefeito. Resta escolher o partido político mais seguro e o grupo de apoio começar a se manifestar.

- Outro que nega é Afonso Macchione. Mas enquanto o ex-prefeito nega o interesse em disputar a prefeitura, seus correligionários querem a sua volta o quanto antes.

- E tem gente defendendo que Cacciari saia candidato, com ou sem Afonso. Para estes, Cacciari traria renovação, e um melhor diálogo com as várias camadas da sociedade civil organizada.

- Centenas visitaram o velório de Manoel Alonso, sepultado na manhã de ontem, no cemitério Monsenhor Albino.

- A turma está animada:

A cada atualização, esta coluna receberá novos comentários e informações. Colabore enviando seu e-mail para arthur007@uol.com.br, com o título "Na Ponta da Pauta". Após recebermos a informação, realizaremos a checagem e publicação. Sigilo absoluto. Passando a Limpo: é você quem faz!






Arthur, boa noite.

Não sou funcionário público, mas filho de dois deles. Acompanho desde sexta-feira o impasse com a desorganizada greve dos municipais e gostaria de dar minha opinião.

Meus pais participaram da assembleia sindicalista ocorrida na sexta-feira e chegaram com a notícia da greve, porém com impressões pessimistas do movimento, alegando que, em suas palavras “não vai virar nada” e “eu não vou entrar nessa por causa do meu décimo quarto”.

Na hora discordei veemente deles, alegando que se todos pensassem com esse medo nunca greve nenhuma daria resultado, e, portanto, se os próprios funcionários tem medo não podem e não devem culpar sindicato ou qualquer pessoa pelo salário defasado. A culpa, em que pese outras lineares, são deles próprios, pela comodidade.

Tive a nítida impressão do resumo dos pensamentos da maioria dos funcionários resumida na posição tomada pelos meus pais: Querem apoiar, querem salários dignos, mas tem medo de participar de atos pois podem ser prejudicados. Talvez esse posicionamento se deva ao fato da idade, de concepções diferentes da nossa geração.

A partir de então comecei a acompanhar os noticiários e principalmente aqui o site para ver no que daria. Li seus posts com todo o acontecimento envolvendo o site e sindicato e hoje pude checar as seguintes conclusões:

A greve deveria acontecer, mas acabou se tornando um movimento pequeno e em breve irrelevante pela péssima assessoria do Sindicato da categoria, envolvendo todos os seus setores: jurídico, administrativo e direção.

Os funcionários estão perdidos, crentes na perda de seus direitos e na assembleia ocorrida sequer foram orientados que de nenhuma maneira o Sindicato os deixariam na mão.

Não foi entendido que o intuito da greve não é a paralisação, mas a luta e a insatisfação com algo que lhe é de direito.

O Prefeito da cidade, ao propor aumento abaixo até da inflação goza com a cara dos funcionários e se mostra, como desde sua eleição, despreocupado com sua reputação, talvez porque saiba que não teria chances de reeleição.

Sou a favor da greve, até porque vejo na pratica o desrespeito com a folha salarial dos funcionários públicos, mas entendo e convenho que da maneira orquestrada NUNCA conseguirão atingir o objetivo que deveria ser perseguido, cada vez mais dando a entender o cunho político da paralisação.

É uma pena.

Quem me dera eu estar na frente da defesa desses trabalhadores, tão mal orientados e perdidos.

O sindicato da categoria precisa se reestruturar, para então realmente representar quem lhe mantém de pé. Nunca é tarde... mas dessa maneira quem deveria ser beneficiado está sendo prejudicado.

Um grande abraço.

Yago


É só clicar

"Bem, gritaram no alto falante na porta da prefeitura que o "Arthur Godoy é mentiroso". Como eu sou o Júnior, não tenho nada a ver com isso. Pô pai, que decepção!!!"

"Pelo jeitão que está o mundo, Jesus voltou, deu uma olhada por cima, fez o sinal da cruz e engatou a marcha a ré..."

"De 24 de julho a 02 de agosto o site Passando estará em férias. Descanso no Rio Grande do Sul."

PARA LER ARTHUR GODOY JUNIOR NO FACEBOOK - CLIQUE AQUI


Cidade

Leitor pede ajuda

Rua Archilio Chimello com Planaltina, no Gabriel Hernandes. Segundo o leitor, a SAEC está realizando um serviço de esgoto de casas novas, e os moradores não conseguem entrar ou sair de casa. Ele informou ainda que em contato com a Superintendência, foi informado que a empresa que está realizando a obra seria terceirizada.

Alguém precisa agilizar a coisa naquela região.

Com a palavra, o governo municipal.


Carta aberta

Municipiários de Catanduva, acordem!

Arthur Godoy Júnior

Um dia me disseram que alguns municipiários acessam este espaço, o que agradeço profundamente. Assim, acho o momento de escrever algumas linhas sobre a questão dos trabalhadores da prefeitura de Catanduva. Todos, inclusive os aposentados que merecem o total respeito da categoria. Vocês podem concordar, discordar, mas é sempre bom o debate e a colocação de opiniões.

Nesta semana, estamos assistindo parte da categoria se mobilizando em torno dos 7,7% de reajuste salarial, o IPCA. Acho que este direito é indiscutível, do mesmo modo que a preparação da greve foi mal conduzida, mal debatida e o resultado é o que estamos vendo: a adesão é pequena, e alguns atos de terrorismo tentando impedir a máquina pública de funcionar. Afinal, cruzar o braço é um direito. Passar cola em cadeado de escola e esvaziar pneus, é terrorismo. Parece óbvio que o prefeito Geraldo Vinholi não vai sentar em mesa de reunião com sindicalista, ainda mais neste momento. Quanto menor a adesão, mais distante fica a linha de entendimento entre as partes. Logo, a população estará se voltando contra "os arruaceiros" e "esse pessoal aí". Afinal, o municipiário sempre será a corda mais fraca. As pessoas apóiam até a página dois, desde que não atrapalhe o seu cotidiano. Ou estou errado?

Como havia previsto, a greve se transformou em um palanque. Nas fotos que me chegaram, vi de tudo. Pessoas da classe AAA abraçando sorridentes representantes folclóricos da classe EEE, vereadores de oposição com o microfone na mão, ensaiando piquete na porta de pátio, etc e tal. Também vi pessoas sérias lutando por seus direitos. E esta carta é para as pessoas sérias, aquelas que pararam ou não de trabalhar.

Vocês estão preocupados com a verruga que nasceu ao lado esquerdo do peito, mas não percebem que existe um câncer em adiantado estado tomando todo o corpo. O orçamento municipal, nos próximos anos, não acompanhará a inflação, nem tampouco o crescimento da máquina pública. Assim, sempre sobrará para o mais fraco, o trabalhador. Os possíveis reajustes sempre estarão no limite, e será bônus em cima de bônus, ajuda no vale alimentação, e nada mais. As data-bases serão desrespeitadas, e quem não estiver satisfeito que pegue o boné. Ou pior: chuva de sindicância, calando os trabalhadores que temem perder o emprego. Já não viram isso?

Pois está na hora de vocês, amigos municipiários, exigirem um plano de carreira, reestruturação, completa organização do quadro funcional. Precisam cobrar do poder público, inclusive dos vereadores, a preparação de um projeto sério, que discuta os funcionários da ativa e os aposentados. A situação do IPMC, do Plano de Saúde. Temos que saber a situação exata dos cargos de confiança e dos marajás. Tem gente que se aposentou e não larga a teta da vaca de jeito nenhum. E são sempre as figurinhas carimbadas. Como a cidade "já está acostumada", vão ficando, e minando tanto o IPMC quanto os cofres públicos.

Chega de conversa fiada em palanque e plenário. Chega de conversa mole de "respeito com o funcionalismo". Infelizmente, sem rancor, posso dizer que o sindicato não se mostra competente para este tipo de conversa. Ele vem se limitando a negociações anuais e sem resultado prático. Aliás, a permanência eterna de uma diretoria, com eleições a cada 5 anos, também é algo a ser discutido. Mas parece que os municipiários também não se importam com isso.

Enfim, demonstrem que estão atentos. Aproveitem o momento. Não se deixem enganar. Logo, vocês todos estarão recebendo salário mínimo, e quando aposentados, colocados de lado. Não vou pedir que parem a greve, pois isso é tolice. Afinal, o movimento já respira por aparelhos. Mas peço que formem uma comissão séria, procurem seus vereadores, o prefeito, e exijam o início da reestruturação. Exijam o plano de carreira. Chega de opressão, chefe fingindo que trabalha, assédio moral, incompetentes arrotando que está lá por cargo político. Quem segura o rojão são os efetivos. Os cargos em comissão, muitos, são importantes. Outros, políticos que se penduram em cabides de emprego.

Sem a reestruturação, a situação vai piorar ainda mais. Exijam saber exatamente quanto do bolo vocês têm direito. Exijam saber onde está indo o orçamento para os salários. Esta greve, com muitos fogos, fotos e sorrisos, pode ser importante para fritar o prefeito (e muitos só querem isso), mas pode ser o início da verdadeira discussão. Há quantos anos ouvimos falar de uma reestruturação? Onde foi parar o projeto pago com o dinheiro público? Vocês vão ficar aí, brigando por reajuste do IPCA até quando? E mais: todos nós sabemos que esta porcaria de reajuste é bem abaixo da inflação. Aliás, até outro dia vocês estavam pedindo 7,7%, mais um reajuste real. Onde foi parar o pedido de reajuste real?

Não percebem que estão esmolando o mínimo? Se a prefeitura, prefeito, vereadores, etc e tal, num prazo razoável, não apresentarem o plano de carreira, parem tudo. Parem absolutamente tudo. Estarei aí em Catanduva, de bandeira na mão, xingando prefeito, vereador, secretário. Mas do jeito que a coisa foi, está sendo mais uma pantomina para enganar vocês, funcionários sérios.

Não percebem que tem diretor de sindicato que não pega no batente há anos? E quando trabalhou, se encostou? Se forem estes os seus Moisés, o mar vermelho vai engolir a todos. É só usar um pouquinho a massa cinzenta, o óbvio é ululante.

Pensem nisso. Discutam em suas repartições. Imprimam, distribua essa manifestação aos amigos. Não sou filiado a partido político, não sou candidato a absolutamente nada. Mas não posso ficar calado e ver, mais uma vez, os funcionários sendo levados como gado no curral.

Pela reestruturação. Pelo plano de carreira. Pelos aposentados. Pelo Plano de Saúde. Pelo IPMC. E por uma real valorização ao funcionalismo. Pois de festa e discurso, acho que todos estão cheios.

Um grande abraço a todos.

Do mentiroso, Arthur Godoy Júnior.


Opinião

A GREVE DOS MUNICIPIÁRIOS X TERCEIRIZAÇÃO

Adonias Cesário

Bom dia, Arthur!

Calma, muita calma nessa hora! Só recebe críticas quem faz alguma coisa. Como jornalista você está fazendo a sua parte, exercendo o seu papel profissional. Embora muitas pessoas não lêem jornais e nem tão pouco acessam a Internet, considero o Passando a Limpo um caso a parte. Tenho certeza disso porque quando escrevo ( e sempre me identifico) muitas pessoas comentam a minha opinião. e falam da importância do Site e da sua opinião.

Sei que é duro a gente ser criticado por ser mal interpretado. Estou vivendo esta situação como Presidente do Clube da Velha Guarda, mas estamos seguindo em frente e quando as pessoas se deparam com a verdade, com resultados positivos a gente fica com a alma lavada.

Vamos em frente, pois você está prestando um excelente serviço para a população de Catanduva.

Sobre a Greve dos Municipiários gostaria de dar a minha opinião.

Tenho experiência de mais de 30 anos de atuação em Empresas privadas e já participei de muitas greves. Tenho experiência de 1 ano como Diretor de Recursos Humanos da Prefeitura de Catanduva. A primeira diferença é que para participar de uma greve na Empresa privada, você tem que ser muito corajoso, pois você corre o risco de ser mandado embora e prejudicar sua família e atrair muitas consequências negativas. O risco é muito maior.

No caso da Prefeitura, as pessoas concursadas podem faltar, fazer greve que nada vai acontecer. Esta é a grande realidade. Quando fui Diretor de Recursos Humanos cheguei a ficar sem 350 funcionários (número maior do que o total de funcionários de muitas empresas) por atestados de saúde, licença, etc.Fazer o que? Todo mundo concursado e os munícipes não queriam nem saber (os únicos prejudicados). Muitos funcionários reclamavam exigindo mais funcionários.

Naquela época já defendia a Terceirização. Volto a defender, mesmo sabendo que o povo do PT não pode nem ouvir falar. Mas a lógica é a seguinte: O governo não pode comprometer em mais de 52% a Folha de pagamento pois o Prefeito pode ser cassado por improbidade administrativa. Neste caso, quanto menos funcionários fixos, melhor o aumento porque os "funcionários" terceirizados não são levados em conta neste cálculo.

Deu para entender? O Prefeito tem direito a 150 Cargos de Confiança, mas se ele tiver juizo e bom senso basta contratar 50. Neste caso vai sobrar dinheiro para os verdadeiros funcionários, aqueles que carregam o piano nas costas. Só que neste momento não vejo saída.

O Prefeito não vai querer dar o aumento além do permitido pela Lei e ser demitido.

Então, o Arthur tem razão, vai ser uma greve só para atender os Sindicalistas que como todo mundo sabe ou não sabe , não podem perder seus empregos. Enquanto isso....CATANDUVA VAI VOLTAR PRA MÍDIA NACIONAL.

Fazer o quê?

Falem mal, mas falem de mim. E assim segue a cidade Feitiço.

ADONIAS - Presidente do Clube da Velha Guarda de Catanduva


Opinião

A greve e o inócuo furor

Luiz Roberto Benatti

Em Francês, greve é o nome de terreno à beira mar coberto de areia e cascalho, de onde deriva Place de greve, cais parisiense onde estivadores descontentes paralisavam os trabalhos. No sentido em que a conceberam anarquistas, socialistas e marxistas, a parede ou paralisação da mão de obra faz-se contra o Capital representado pelo patrão.Como em Catanduva chegamos muito cedo para as bobagens do mundo provinciano e muito tarde para o aprendizado das melhores lições de avanço social, o movimento paredista decretado pelo sindicato dos funcionários da prefeitura faz-se não contra o padrão inexistente, mas em desfavor da população. O sindicato não sabe mais pensar com clareza a coisa política, porque em seu dia-a-dia mal fala, mal ouve, mal lê. A prefeitura não tem linha de montagem de mercadoria e seus funcionários não conhecem esteira de linha automobilística. Logo, a paralisação não tem, porque não pode ter em vista, a produção de mercadoria que levaria o patrão a sentar-se à mesa de debate para negociar,ceder ou então sustentar o salário insuficiente. Os sindicatos querem a democracia e não a República, porque assim tomam o poder executivo por patronato. Se não há mercadoria, não haverá mais-valia. A grande greve de 1917, eclodida em SP, em 1917,foi de verdade, mesmo porque os anarquistas não eram títeres de sindicato, mas homens de verdade marcados por coragem indômita. A greve do dia 18 é uma aberração engendrada na casamata do PT, ora a caminho de Cucuia da Serra.


Luto

Sepultamento de Manoel Alonso será às 10h00

O velório de Manoel Alonso, um dos representantes da cultura catanduvense, está acontecendo no cemitério Monsenhor Albino. Ele faleceu nesta segunda-feira. Seu sepultamento está marcado para as 10h00 desta terça.

Nossos profundos sentimentos à família enlutada.


Conversa com o leitor

Aqui não, Robertão!

Arthur Godoy Júnior

Alguns leitores, principalmente aqueles do funcionalismo municipal, se espantaram com o posicionamento deste site em relação à greve dos municipiários. Com toas as letras e vírgulas, o site apontou que a greve foi uma decisão política do Simcat, com várias motivações, menos as que realmente interessam aos funcionários.

Parte dos leitores não apenas se surpreendeu com o posicionamento do site Passando a Limpo, como se indignou.

Agora, acho que vale a pena colocar alguns "pingos nos is".

Sempre defendi um melhor salário aos funcionários. Vi uma administração que atrasava o pagamento e cesta básica e outra que cansou de dar 2% de reajuste, sem contar que abriu centenas de sindicâncias e punições. E todo mundo ficou calado, com o rabo entre as pernas, a começar pelo sindicato. Vários casos de assédio moral, e todo mundo calado. Vi amigos concursados sendo ameaçados até pedirem exoneração, e os tais representantes fazendo cara de paisagem. O Simcat, nos últimos anos, enquanto havia ranger de dentes entre os trabalhadores, estava mais preocupado em gerenciar festinha em clube. Nos momentos cruciais, o presidente se ausentava por motivos de saúde.

Quando questionado, se mostrava irritado, chegando a ameçar e a xingar o professor De Fázio - aquele que o aplaude hoje - em pleno velório de um amigo (aliás, seria ótimo que o professor De Fázio pudesse escolher melhor seus heróis, pois os atuais já têm longo histórico de um passado recente e nefasto da cidade. Vê-lo, feliz e sorridente, ao lado de alguns, é como visualizar as fotos de petistas abraçados ao lado de Maluf e Collor. Faz mal para a sua biografia.). O espaço do professor, neste site, sempre estará reservado.

É óbvio que o salário do trabalhador municipal de Catanduva é irrisório, uma vergonha. O municipiário catanduvense sempre foi colocado em terceiro plano. Os aposentados, então, nem se fala. O governo não deu a devida atenção ao problema e não vi um plano razoável de valorização dos trabalhadores. Muito discurso, pouca prática. Mas também posso lembrar uma reestruturação que foi paga e não saiu do papel. Simplesmente, desapareceu. A prefeitura abre vários departamentos, contrata funcionários, e na hora do vamos ver, diz que o teto salarial não pode ser ultrapassado. Sobra para o trabalhador pagar o ônus da coisa. Perceberam que sempre que se precisa cortar algo são as horas-extras que sofrem a primeira facada?

Desta vez, em 2015, me coloquei a disposição do Simcat para divulgar gratuitamente todos os comunicados aos trabalhadores, e cobraria publicamente o governo a apresentar melhores propostas. Sei da importância e respeito que o Passando a Limpo tem dentro do funcionalismo, o que agradeço a todos de coração. Vejo o site como a possibilidade rápida de troca de informações sérias e debate amplo sobre o assunto. Também sou funcionário público e sei das dificuldades de cada um - desde a falta de funcionários a salários que vão sendo achatados.

Pois apesar de me colocar à disposição para a divulgação de comunicados para os funcionários, na sexta feira, às 10h00, o presidente e o assessor de imprensa decidiram usar o Passando a Limpo como moeda de troca, uma forma de pressionar sabe-se lá quem. Usaram o site para divulgar uma notícia falsa, dizendo que tudo estava bem encaminhado e os trabalhadores pediam apenas que o valor do vale-alimentação subisse R$ 50,00. Mentiram descaradamente, e por telefone ainda tive que ouvir um pedido do presidente do Simcat para que falasse com o prefeito para melhorar a proposta, como se eu tivesse algum grau de decisão ou fosse secretário de finanças. Não falo com o prefeito Geraldo Vinholi desde o Carnaval, dentro do hospital improvisado, na rua Maranhão.

O tal presidente agiu de má-fé. Assim, não posso acreditar em sua boa vontade com os trabalhadores.

No momento, a greve interessa a este tipo de sindicalista (que morde a mão estendida) - sabe-se lá os motivos - e vereadores que nunca moveram uma única palha pelos funcionários. O senhor Cidimar Porto era braço direito de Macchione. Nilton Cândido, que apoiou Vinholi, chegou a ser líder de Macchione na Câmara. Em quantas assembléias compareceram e exigiram melhor condições de salários para os trabalhadores? Pois sempre, na hora do vamos ver, aprovaram a mixaria encaminhada pelo prefeito de plantão, alegando que é melhor pingar do que faltar.

Quantas e quantas vezes tivemos que ler a máxima que "outras cidades da região não estão nem pagando. Catanduva pelo menos paga. Paga mal, mas paga.

Mas agora, iniciando um eterno período eleitoral (pois eles só pensam naquilo), é ótimo fritar o prefeito, usar um novo palanque, novos discursos, novas entrevistas nas emissoras regionais e local. Dane-se a imagem de Catanduva, dane-se as sanções que poderão vir para cima dos trabalhadores. O importante é espalhar o caos. Depois, quando não interessar mais, muda-se o discurso, e voltam com o "melhor pingar do que faltar".

Os trabalhadores correm o risco de serem usados, manipulados. Espero que eles, municipiários, deixem a politicagem e os politiqueiros de lado e assumam a greve. Vocês não precisam de vereadores e Simcat. Suas reivindicações são justas, merecem o IPCA corrido e um aumento extra. Trabalharam para isso. Se o governo não se preparou, azar o dele. Quem não pode pagar a conta é o trabalhador. Assumam a greve, mas exigindo uma reestruturação decente, plano de carreira, salários e cargos.

A sacanagem que fizeram comigo, na sexta-feira, é imperdoável. Pois eu desafio a qualquer um dos citados dizer publicamente que estou mentindo. Não aceito ter meu trabalhado manipulado para que funcionários sejam usados e possivelmente prejudicados. O senhor Roberto é ótimo para um belo sorriso quando precisa, chega a mudar a voz, mas no dia seguinte...

E espero que a greve seja comandada pelos trabalhadores, pois se for pelos "representantes", como num passe de mágica desistem do movimento, e deixam todos na mão.

Decidiram a greve, espero que consigam negociar, e obter bons números. Espero que se abra um canal sério, inclusive para discutir assuntos como "assédio moral, plano de carreira, comissionados, perseguições etc e tal.".

Os verdadeiros trabalhadores - concursados, que carregam a prefeitura nas costas - têm todo o meu apoio. Os manipuladores, não.

Este site estará aberto para todas as notícias do movimento. Menos aquelas do Simcat, pois não acredito mais. O que é uma pena. A partir de agora, o Simcat só será citado em caso relevante.

Ter a boa fé para ajudar os funcionários e ser usado pelos eternos sindicalistas de um sindicato risível, para mim, é algo imperdoável. Lamento, pois acreditava na seriedade de pelo menos uma das pessoas que falou comigo. No caso, o Pedro Cerose. Depois dessa, melhor deixar para lá...

Mas vivendo e aprendendo.

Se quiserem mandar notícias da greve, fotos, comentários, opiniões, receberei e publicarei de bom grado e feliz. Inclusive, até peço isso. Afinal, gostando ou não, querendo ou não, o site Passando a Limpo tem grande repercussão dentro do funcionalismo. E é por conta desse reconhecimento foi minha indignação com a falta de compromisso moral de alguns.

Mas as notas oficiais do tal sindicato e sua atual diretoria não publico. Nem pagando. A greve foi resolvida na base do vapt-vupt, com aquela sensação de que a assembléia apenas foi montada para oficializar a coisa. Uma ótima vitrine, de alguém que até ontem não parecia estar muito disposto a liderar um movimento grevista.

Não abro mão da defesa do municipiário. Foi a primeira cobrança pública que fiz ao prefeito Geraldo Vinholi como assumiu. E acho que os aposentados merecem total respeito. Ele não deve ter gostado muito, mas o combinado não é caro. Na campanha prometeu valorização. Tem que cumprir.

Enfim, peço a Deus para que os funcionários não sejam levados ao buraco por pessoas inescrupulosas, que pensam em tudo, menos nos trabalhadores.

Espero que tudo seja resolvido sem violência e da melhor maneira possível. Não se deixe enganar, manipular. Acompanhe as conversas de bastidores dos sindicalistas, fechem os microfones para os aproveitadores. Se eles não podem lhes ajudar na Câmara, porque querem o microfone no carro de som? Não aceitem argumentos vazios e saibam os seus direitos e deveres.

E sucesso no movimento. O espaço para vocês, municipiários, está aberto para fotos, comentários, notícias, reclamações e denúncias.

O site Passando a Limpo é de vocês.

Abraços a todos.


Greve

Governo divulga nota, diz que funcionário terá direito ao trabalho e alerta para sanções administrativas

O governo municipal de Catanduva se manifestou há pouco a respeito da decisão dos municipiários de começar uma greve a partir da próxima segunda-feira, 18.

Em nota oficial, a prefeitura disse que irá reestudar algumas medidas que foram tomadas para viabilizar as propostas, disse que os funcionários que desejarem trabalhar terão este direito garantido e terminou alertando esperar que o Simcat tenha avisado aos funcionários a respeito de possíveis sanções administrativas.

Conforme os bastidores já informavam, o governo não irá iniciar qualquer conversa com o Simcat e não deverá apresentar nova proposta. O prefeito está disposto a deixar com o sindicato as responsabilidades que o prejuízo de uma paralisação possam acarretar. Para Vinholi, todos os esforços foram realizados, mas o Simcat decidiu partir para um confronto.

Caso a greve persista, não se descarta a hipótese de uma mediação do Tribunal Regional do Trabalho.

COMUNICADO SOBRE A GREVE DOS SERVIDORES

Frente a decisão de parte do funcionalismo público entrar em greve, a Prefeitura de Catanduva informa que fez todos os esforços no sentido de viabilizar o reajuste salarial, mesmo com a grave crise orçamentária, em conseqüência da crise econômica do país.

A proposta apresentada se tornou possível, uma vez que estava vinculada a medidas que proporcionavam esta condição.

Agora, com a decisão da greve essas condições serão reavaliadas. Os profissionais que desejarem trabalhar terão resguardados o direito para que possam fazê-lo.

A Prefeitura espera que o sindicato da categoria tenha agido com responsabilidade, informando os servidores sobre eventuais conseqüências funcionais pelos dias de paralisação.

GOVERNO MUNICIPAL DE CATANDUVA


Municipiários

Em manobra do Simcat e decisão "vapt-vupt", funcionários anunciam greve para segunda-feira

Absolutamente tudo aquilo que diretores e a presidência do Simcat propagaram por três dias veio abaixo em 10 minutos. Na manhã de ontem, sexta-feira, Pedro Cerose - assessor de imprensa - e Roberto José de Souza, presidente do Simcat, ligaram ao site Passando a Limpo e anunciaram o mesmo que informaram ao diretor do IPMC, Edson Andrella: que os trabalhadores teriam aceitado as propostas apresentadas pelo prefeito Geraldo Vinholi, ficando em aberto um último pedido, aumentar o valor do vale-alimentação em R$ 50,00 e não R$ 30,00 como o proposto pelo governo.

Porém, na hora da Assembléia, sem nenhuma explicação ou debate entre os presentes, Souza praticamente anunciou a greve para os funcionários - que entre gritos exaltados, aceitaram paralisar suas atividades a partir da próxima segunda-feira, 08h00. Ao lado de Roberto, vereadores da oposição, acenavam afirmativamente pela greve greve. Alguns municipiários descontentes com a falta de diálogo e debate não tiveram o microfone aberto. Outros chegaram a acusar os aposentados de estarem "atrapalhando" os da ativa receberem vantagens.

A situação do plano de saúde teve sua discussão adiada para dentro de 15 dias. Outra manobra do Simcat, que não quis discutir dissídio e plano de saúde numa única reunião.

Ao final, os cerca de 250 municipiários que estiverem no clube social do Simcat, apenas ratificaram uma decisão que já parecia ser tomada pela diretoria do sindicato. Um dos municipiários chegou a pedir mais tempo para as negociações e apresentação de propostas, mas foi rechaçado pelo diretores do Simcat.

Ao mesmo tempo em que os municipiários decidiam pela greve, membros do governo tomavam conhecimento que a manobra foi liderada pela diretoria do Simcat. Após isso, segundo fontes, o prefeito não deverá mais negociar com o sindicato. Para alguns, a greve está sendo "política", já que grande parte dos pedidos teria sido atendida por Vinholi.

O elo de ligação entre o sindicato e alguns vereadores da oposição, principalmente o advogado Nilton Cândido, teria sido um dos fatores fundamentais para a postura do Simcat.

Se o prefeito realmente não negociar mais com o Simcat, e se a greve for longa e com grande adesão, poderá ir parar no Tribunal do Trabalho.

Profissionais contratados, principalmente na educação, não deverão aderir ao movimento. Por enquanto, a prefeitura não comenta sobre a possibilidade de contratar mão de obra terceirizada para a realização dos trabalhos de grevistas.

Uma greve política, motivada por diversos fatores, menos os mais importantes.

Essa, infelizmente, é a verdade nua e crua do movimento deflagrado ontem, sexta-feira, em assembléia dos servidores.

A satisfação estampada nos rostos de membros da chamada "oposição", foi uma leitura simples do que ocorreu. A assembléia foi montada para que o Simcat pudesse anunciar publicamente a greve, decidida em algum outro lugar, não ali. Os servidores, principalmente aqueles do pátio de serviço, exaltados por discursos populistas, abraçaram a causa como a solução de seus problemas. Decidiu-se pela greve, assim, vamos à ela. Com todos os seus percalços, ônus e bônus. Geralmente, bônus aos políticos e sindicalistas e ônus ao trabalhadores.

Os funcionários pediram 7,7% mais 1,3% de aumento real, além de um reajuste no vale alimentação de R$ 50,00, e negociação sobre o salário dos aposentados. Reivindicações claras e justas. O prefeito fez algumas contra-propostas, que de forma sensata - impediriam ou adiaram uma possível greve. Tanto é que municipiários que tentaram opinar contra a greve, sequer receberam o microfone nas mãos.

O site Passando a Limpo publicou simulações, apontando que o oferecido pelo prefeito, em alguns casos, poderia chegar a 6,5%. Assim, a greve está acontecendo por conta de 1%. O catanduvense terá dissabores por conta de aproximados 1%, nada mais. Um número irrisório para um movimento grevista, ainda mais para uma categoria que já foi chutada de tudo quanto é jeito por outros governantes.

Estamos numa recessão. O prefeito não vai tirar um coelho da cartola e aposta que a população tenha consciência que o pretendido pelos trabalhadores foi oferecido, mas a intenção política deste ou daquele grupo prevaleceu. Vereadores da oposição conseguiram palanque, o presidente do Simcat tenta retomar as rédeas de uma categoria que há muito diz não ser representada pelo sindicato.

Os funcionários pediram 7,7%, estariam levando 6%, e por essa diferença, decidiram pela greve. Um trabalhador no pátio com salário de R$ 1.000,00, receberia R$ 77,00 pela proposta defendida pelo Simcat. Na proposta do prefeito, seria R$ 1.050,00 (mais o plano de saúde) ou R$ 1.100,00 além de R$ 30,00 no ticket, num total de 13%. Conta simples, mas que não foi levada em consideração. É a velha história do lobo e da ovelha. Vai ser assim porque eu quero, pronto e acabou.

Enfim, resta agora acompanhar esta novela. Informações dão conta que o prefeito não irá mais negociar com o Simcat. As coisas tendem a endurecer. Temos que esperar o grau de adesão do movimento, como o governo e o sindicato irão reagir. A guarda informa que quem desejar trabalhar terá esse direito garantido e que piquete é crime. Torcemos para que não ocorram confrontos. E também que o sindicato tenha maturidade em aceitar as regras impostas pela Justiça, que é a manutenção de 30 por cento do efetivo.

Muitos que hoje estão batendo palminhas com a greve, não têm consciência que a falta de um serviço público traz muitos prejuízos. Vamos supor que os coveiros sejam os primeiros a cruzar os braços...

Este site respeita profundamente o direito dos trabalhadores e a proposta apresentada. O nosso respeito é tão grande, mas tão grande, que não podemos esconder: os funcionários estão sendo usados como massa de manobra e correm o risco de darem um belo tiro no próprio pé.

O tempo vai dar algumas respostas.

Esta é a opinião do site Passando a Limpo.


41o. Festival SESC Melhores Filmes. De 19 a 23 de maio Exibição de filmes e bate-papo.

PROGRAMAÇÃO em Catanduva

Uma Vida Comum Direção: Uberto Pasolini. Dia 19, terça, às 15h | Auditório do Senac | R$3,50 – R$6,00 – R$12,00 | Classificação: 12 anos.

Hoje eu Quero Voltar Sozinho Direção: Daniel Ribeiro Dia 19, terça, às 20h | Auditório do Senac | R$3,50 – R$6,00 – R$12,00 | Classificação: 12 anos.

As Férias do Pequeno Nicolau Direção: Laurent Tirard. Dia 20, quarta, às 15h | Auditório do Senac | R$3,50 – R$6,00 – R$12,00 | Classificação: Livre.

Pelo Malo Direção: Mariana Rondón. Dia 20, quarta, às 20h | Auditório do Senac | R$3,50 – R$6,00 – R$12,00 | Classificação: 14 anos.

Relatos Selvagens Direção: Damián Szifrón. Dia 21, quinta, às 15h | Auditório do Senac | R$3,50 – R$6,00 – R$12,00 | Classificação: 14 anos.

Ninfomaníaca – volume 1 Direção: Lars Von Trier. Dia 21, quinta, às 20h | Sala de Ginástica | Grátis | Classificação: 18 anos.

O Lobo Atrás da Porta Direção: Fernando Coimbra. Dia 22, sexta, às 15h | Auditório do Senac | R$3,50 – R$6,00 – R$12,00 | Classificação: 16 anos.

Ninfomaníaca – volume 2 Direção: Lars Von Trier. Dia 22, sexta, às 20h | Sala de Ginástica | Grátis | Classificação: 18 anos.

O Menino e o Mundo Animação.Direção: Alê Abreu. Dia 23, sábado, às 15h | Espaço Cafeteria | Grátis | Classificação: Livre.


Opinião

A NHORÂNCIA TRAVOCA O POGREÇO

Humberto Giovanini

Nesses momentos difíceis , onde todas as atenções estão voltadas para a esculhambação geral no nosso congresso nacional , onde o patulèico está latindo no quintal para economizar o cachorro , a nossa Secretaria da Curtura lança uma exposição de fotos , homenageando os músicos , as grandes orquestras de Catanduva .

Fotos antigas e nem tão antigas assim , que nos faz lembrar de bons tempos , o tempo dos grandes bailes que haviam em Catanduva .

Tempos aqueles em que fumar era bonito e soltar o fiofó era feio . Hoje tudo mudou .

Mas vamos aos fatos , sem me prolongar como orador de gafieira :

Com belas fotos e nomes trocados , ou que o nosso querido expositor gostaria que chamassem , la está .

Um dos melhores tecladistas , músico até hoje em atividade , Hélio Branca , está com o singelo nome de outro músico , Helio Trica , e seu parceiro de longa data Francis .

O ex contrabaixista Joel Ornellas com o nome de Joel Carvalho , e assim por diante .

Uma aberração atrás de outra , caso bem típico de nossa secretaria .

Só faltaram confundir Banda dos Fuzileiros Navais com Bunda do Sargento Novais

Um abraço a todos .



Política

Terceira via "estuda" situação política e espera entre Macchione e Cacciari

Os empresários Afonso Macchione e Roberto Cacciari estão entre os preferidos do chamado grupo "terceira via" para disputar as eleições de 2016. Apesar de ser discreto sobre o assunto e estar focado em seus negócios, Cacciari tem uma certeza: se Afonso Macchione não for candidato, ele será. Para alguns, eventual desgaste do prefeito Geraldo Vinholi não terá repasse de votos para a deputada Beth Sahão, já que o Partido dos Trabalhadores também está desgastado com os escândalos nacionais. Assim, o campo fica aberto para o chamado: "queremos Catanduva de volta".

Alguns ex-aliados de Vinholi já aceitam conversar para uma participação em campanha eleitoral, desde que os candidatos sejam Macchione ou Cacciari. Nos próximos três meses, deverá ocorrer uma conversa mais séria neste sentido. O prazo para filiação em partido político - para quem quiser disputar eleições - termina em outubro. Existe o cuidado para se escolher a legenda para que não ocorra o que aconteceu em 2012 e 2014, quando tanto Cacciari quanto Macchione não conseguiram legenda em seus partidos.

Há 10 anos, quando Macchione procurou Roberto Cacciari para lhe ajudar na campanha eleitoral, havia a promessa de que futuramente o ex-prefeito indicasse e apoiasse o empresário como seu candidato. Nas eleições seguintes, Cacciari foi vice de Macchione e no final sua possível candidatura perdeu musculatura com os problemas envolvendo o PMDB.

Desta vez, não haverá choque já que se espera um comum acordo entre os possíveis candidatos. Cacciari espera o posicionamento de Macchione para anunciar sua pré-candidatura. Porém, se Macchione for candidato, o empresário não deverá participar da campanha. Caso contrário, a expectativa é que o ex-prefeito coloque seu apoio no nome de Roberto Cacciari.

Há algumas semanas, discutiu-se a possibilidade de Sinval Malheiros ser o candidato da terceira via, mas foi logo descartada. O PV pode negociar um lugar de vice nas futuras legendas - aí, entram PSDB, PT e os demais partidos. Malheiros não irá participar das próximas eleições, tentando fortalecer seu nome em Brasília.

Sobre a candidatura de Macchione, a central de boatos está a todo vapor. Alguns dizem que ele estaria impedido de participar das próximas eleições por processos administrativos de quando foi prefeito (fato não confirmado e até o momento não há qualquer impedimento). Outros, que o ex-prefeito estaria cansado de campanhas eleitorais e do desgaste diário de uma função como chefe do Executivo.

Uma coisa é certa: na próxima eleição, ao contrário de 2012, serão três candidatos fortes nas eleições: Vinholi, Beth Sahão, Afonso Macchione ou Roberto Cacciari.


Colunismo mais que social tem nome e sobrenome:

Arlindo Gutemberg

PARA ACESSAR A PÁGINA DE ARLINDO GUTEMBERG NO FACEBUNDA - CLIQUE AQUI OU NO LINK ACIMA -


http://twitter.com/arthurgodoyjr



Tempo e temperatura


- E o que aconteceu com os 7,7%?

- Pergunta lá no Posto Ipiranga...



Naquele tempo, a água estava muito cara...

E criou a Saec...


Para avaliar o que leu no site Passando a Limpo e o nosso trabalho e linha editorial, clique no banner acima.


Google


JORNAIS


PODERES


ENTRE EM CONTATO

99119-2715

(017)

- Não precisa discar código de operadora. É direto!

ou...

(011) - 99118-5007

(011) - 2725-1346

E-mail: arthur007@uol.com.br


Conectados

Onde estão os nossos leitores...

No Brasil

Potirendaba, Palmares Paulista; Novais; Elisiário; Tabapuã; Novo Horizonte; Carapicuiba; São Pedro; Ribeirão Preto ; São Paulo ; Catanduva ; São Jose Do Rio Preto; Campinas ; Araraquara ; Bariri ; São Carlos; Brasilia ; Rio de Janeiro; Marilia ; Sorocaba; Aracaju ; Presidente Prudente; Araçatuba ; Lins ; Paulínia; Osasco ; Fernandópolis; Porto Alegre ; São Jose Dos Campos; Uberlandia ; Barretos ; Franca ; Braganca Paulista; Santo Andre ; Americana ; Piracicaba ; Bauru ; Recife ; Tres Lagoas; Guarulhos ; São Vicente; Belo Horizonte; Assis ; Santos ; Hortolândia; Pindamonhangaba; Apucarana ; Jundiai ; Cuiaba ; São Caetano Do Sul; Nova Odessa ; Leme ; Indaiatuba; Navegantes; Pelotas ; Curitiba ; Salvador ; Goiania ; Rio Claro; Florianópolis; Barueri ; Manaus ; Taubate ; Limeira ; Itajuba ; Adamantina; Fortaleza ; João Pessoa; Presidente Epitácio; Santa Maria ; Cornelio Procópio; Blumenau ; Mogi-Guacu ; São Leopoldo; Londrina ; Bélem ; São Luis; Lorena ; Cascavel; Campo Grande; Suzano ; Botucatu ; São Sebastião; São João Da Boa Vista; Natal ; Ourinhos; Vitoria ; Porto Velho; Laranjal Paulista; Nova Iguacu ; Macapa ; Porto Ferreira; Caxias Do Sul; Chapeco ; Maceió ; Pocos de Caldas; Novo Hamburgo; Vila Velha ; Joinville ; Niteroi ; Dracena ; Cubatão ; Petrópolis; Uberaba ; Criciuma ; Teresina ; Canoas ; Conquista; Palmas ; Iperó ; Vitória Da Conquista; Imperatriz ; Vicosa ; Sete Lagoas; Porto Real ; Juatuba ; Itarare ; Jaguarari ; Santa Rosa; Caçador ; Ponta Grossa; Tupã ; Araguaina; Macaé ; Alfenas ; São Bernardo Do Campo; Eunapolis ; Passo Fundo; Cafelândia ; Flores Da Cunha; Cabo Frio ; Sobral ; Rio Verde; Mocóca ; Parobe; Itaperuna ; Barra Mansa; Campos ; Ribeirão Pires; São Jose Do Rio Preto; Lençóis ; Caetite ; Ijui ; Braço Do Norte; Mossoró ; Juazeiro Do Norte; Campina Grande ; Simões Fiho ; Floresta ; Teófilo Otoni; Três Corações; Teresópolis ; Paulista ; Dourados; Santana Do Livramento; Itaguai ; Itapetininga; Araxa ; Lajeado ; Cataguases; Cotia ; Avare.

Ao redor do planeta

United States ; Canada ; United Kingdom ; Panama; Argentina ; Portugal ; Italy ; Spain; France; Nigeria; Japan ; Angola; Germany; Chile ; Switzerland ; Ireland ; Turkey ; Guatemala ; Ecuador ; Russia ; Mozambique; Netherlands ; Sweden ; New Zealand; Czech Republic; Bolivia ; Colombia ; South Korea; Estonia ; Mexico ; Norway ; Paraguay ; Dominican Republic.

Fonte: Google


Sua cidade não está na lista? Mande-nos um e-mail para que possamos atualizá-la.


Se você gostou deste site, acha que falta alguma coisa, colabore com a gente. Envie e-mail para arthur007@uol.com.br, ou telefone para (17) 9119-2715. Precisamos do seu apoio e incentivo, já que esta página é editada em São Paulo - S.P., a 385 km de Catanduva e região. Nossa intenção é informar, debater e ajudar. Mande suas informações, fotos, comentários. Ajude a manter este espaço. Agradecemos desde já. (Passando a Limpo)


Atenção!

Para ter Passando a Limpo em seu órgão de informação, ou receber material editorial de Arthur Godoy Junior, entrar em contato com a direção do site pelos telefones, e-mail ou endereços citados nesta página. Consultorias em jornalismo e estratégias de informação também podem ser adquiridas pelo mesmo método.


Site Meter


Passando a Limpo é uma publicação on-line do jornalista Arthur Godoy Júnior (MTB 26.822) Endereço para contato: Rua Domingos Teotônio Jorge nr. 61 - Aricanduva - São Paulo - S.P, CEP 03904-040. Telefones: (17) 99119-2715, (0xx11) 2725-1346 e (0xx11) 99118-5007. E-mail: arthur007@uol.com.br - Hospedado na Locaweb - São Paulo. On-line desde 19/01/2003.